Novo CPC e os Juizados Especiais

Coisa linda o Direito!

As opiniões podem tender a se conflitar, mas o debate sempre leva a uma convergência.

vejamos algumas ponderações:

A primeira de  é advogado em São Paulo, mestre em Direito pela USP, professor, palestrante e parecerista.

Leia o artigo completo em Consultor Jurídico <– clique no link

 

Finalmente, por mais que os juízes não gostem, devem sempre ser lembrados que seus poderes não são absolutos. Antes, são limitados por uma vontade soberana que paira acima deles como de todos nós: a vontade da lei. Afinal, estamos ou não todos sob o império da lei? Demais disso, respeitar, cumprir e aplicar as leis e a Constituição é um dever ético e moral de todo juiz em cumprimento do compromisso assumido ao prestar solene juramento em tal sentido quando toma posse do cargo (artigo 79 da Loman).

À guisa de conclusão, o novo CPC tem sim aplicação supletiva em relação à Lei 9.099/1995. E a aplicação supletiva não é meramente subsidiária, porquanto suplementar significa acrescer o que falta, de modo que as normas do CPC devem aplicar-se aos procedimentos disciplinados pela Lei 9.099/1995 sempre que esta não tenha disciplina própria existente naquele e com a qual não encete conflito frontal.

 

Posteriormente interessantes a ponderações de  é correspondente da ConJur no Rio de Janeiro, em artigo postado no Consultor Jurídico <– clique no link

“Constitui um dever básico dos juízes que trabalham nos juizados recusar os processos que evidentemente não preencham os requisitos de ausência ou pouca complexidade”.

Para ministra, o Judiciário precisa estar atento para não permitir o desvio da finalidade dos juizados especiais, com a desatenção e respeito a essa competência. “Porque esta foi a principal causa que maculou o respeito e a esperança dos cidadãos nos processos rápidos que os juizados sempre propalaram.”

 

 

 

Semana Jurídica FAPAM – Participações

Na abertura do evento tivemos as seguintes participações:

Dra. Herilene Oliveira Andrade, Juíza de Direito apresentou o tema “Medicação e conciliação no novo CPC”.

Dr. cássio Augusto Barros Brant, professor, apresentou o tema “Reflexos do novo CPC no direito civil”

Vendo o debate, muito interessante, tive o impeto, e questionei:

Primeira questão: “No artigo 695 do CPC existe a determinação que recebida a petição inicial e, se for o caso, tomadas as providências referentes à tutela provisória, o juiz ordenará a citação do réu para comparecer a audiência de mediação… questiono, pois aos convidados sobre o fato de, na eventualidade, ocorrer o não comparecimento do réu na audiência de mediação, aplicar-se-á a disposição do artigo 304 tornando-se estável? (acaso trate de tutela antecipada). Questiono ainda para a resposta sobre qual origem principiológica predominaria no caso: O direito de família, procedimentos especiais ou a especialidade das tutelas provisórias?

Segunda questão: Vários dos procedimentos especiais não contemplam a audiência de mediação/conciliação como ato primeiro após a inicial e antecedente a instrução. Se os convidados entendem que se pode incluir, antes da instrução em procedimentos especiais a audiência de mediação/conciliação.

A resposta foi, a meu sentir, interessante:

Pela Dra. Herilene: Sim! Aplica-se o artigo 304 – se for o caso – e torna-se estável aquela medida antecipada concedida, para o caso de não comparecimento do réu. E mais! Pode-se aplicar até mesmo o caso de Tutela de Evidência! Inicia-se o procedimento de família com a primazia da medicação, mas não comparecendo o réu, aplica-se o art. 304.

Entende ainda a convidada que nos procedimentos especiais podem sim, ser incluídas as audiências medianeiras e conciliatórias para cumprir a finalidade maior do código quanto a pacificação das partes pelo entendimento comum. Fez o alerta que cada caso deverá receber uma tratativa diferente.

Pelo Dr. Cássio: Temos de ter em mente que com o novo código pode ter-nos brindado com um novo princípio: “primazia da audiência conciliatória/mediatória”. Assim sendo, ser possível incluí-la no início não só do procedimento comum, como também nos procedimentos especiais.

HORA DO CAFEZINHO:

Dra. Márcia Oliveira, procuradora do município de Pará de Minas, alertou-me que eu pretendia “fazer mais uma vez a flexibilização do processo”. Dr. Fabrício cita Bülow para relembrar o processo como relação jurídica formal.

De fato não sou um formalista severo. Entendo, contudo, que excessos de formalismo podem comprometer o processo como relação democrática. Assim sendo as eventuais flexibilizações que eu tenha defendido no passado devem ser vistas com moderação e sopesamento entre o fim maior do processo e a vontade das partes.

REFLETINDO:

Penso que todos possuem suas teorias e as respeito irrestritamente. CONTUDO…

Aplicar o art. 304 no caso de revelia do réu ao não comparecer àquela audiência do art. 695 pode ser muito perigoso ao processo.

A uma: estamos tratando de procedimento especial, sobre o qual pairam algumas bases que não  podem ser afastadas:

a) tratando-se de direito de família a tratativa do procedimento não pode absorver outros princípios que afastem a necessidade de pacificação das partes, menos ainda, aplicar-se revelia com julgamento do feito sem que um defensor dativo seja indicado para o revel. É que em direito de família, não podemos afastar os interesses de menores. A revelia com aplicação do art. 304 seria excesso de formalismo e desconsideração da figura do menor no feito.

b) as tutelas provisórias estão incluídas na parte geral do código, pensando eu, modestamente, que sua primazia de aplicação se deve dar nos procedimentos comuns, e somente como exceção para o caso dos procedimentos especiais. Uma das características dos procedimentos especiais é a cognição sumária encontrada nas liminares possessórias, na determinação de prestação de contas, na ciência do réu e determinação de audiência para os casos de família. Entendo que as tutelas provisórias de urgência de caráter antecipatório concedidas em direito de família não podem, em qualquer caso, estabilizarem. De certo a esquiva da Magistrada em dizer que cada-caso-é-um-caso satisfaz a resposta eventualmente em sentido contrário.

c) a estabilidade proporcionaria algumas situações confusas: se acaso estabilizar os alimentos provisórios? Como fica a estabilização de medidas sobre guarda de menores? afastamento do lar? um tanto quanto complexas estas situações.

Claro que em se tratando de procedimento de família, sem a inclusão no feito de menores, a situação pode ter variantes que possibilitem o pensamento da Magistrada questionada.

A duas: no caso de direito de família as decisões podem a qualquer tempo serem alteradas, se alteradas as situações fáticas que substanciaram a decisão. Notemos que visitas, pensão, guarda são determinadas num tempo com fundamentos próprios; alterados estes fundamentos no mundo fático, mesmo que se ultrapasse dois anos ou mais da decisão, podem as partes rever aquele julgado. No caso do art. 304 a estabilidade termina após 2 anos e torna-se definitiva (sem fazer coisa julgada), o que contraria a principiologia do direito de família.

 

Bom são estas as poucas – talvez incompletas – reflexões que pretendo fazer. Mas ao menos, pode ser o gatilho para um debate.

Simulação de contestação

Prezados alunos,

Eis uma “inicial” para que vocês apresentem a contestação.

Ao final, as informações de seu cliente.

Enviem suas peças para ronaldo79171@gmail.com que corrijo INDIVIDUALIZADAMENTE.

BOA SORTE!

 

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da ____ Vara da Cível da Comarca de Belo Horizonte – MG

 

espaço regulamentar

 

LISÍSTRATA DA SILVA, brasileira, solteira, balconista, portadora de CPF nº 123.456.789-00 e RG nº MG-1.234.567 SSPMG, residente e domiciliada na Rua Serrania nº 28 Bairro Floresta CEP 31.123-456, nesta cidade e comarca de Belo Horizonte, vem pela presente, através de seu advogado infra-assinado propor a presente

AÇÃO DE DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL c/c PEDIDO DE ALIMENTOS

em face de ARISTÓFANES DOS ANJOS, brasileiro, divorciado, encarregado de obras, com CPF e RG desconhecidos da Autora, residente e domiciliado na Rua Império nº 890 centro da cidade de Pará de Minas – MG, pelos motivos que abaixo passa a expor:

Em 2007 a autora iniciou um namoro descompromissado com o Requerido que culminou em efetiva união entre ambos, sendo certo tal relacionamento que dele adveio um filho (Pedro Malasartes Silva Santos) atualmente com um ano de idade (certidão anexa).

A partir do ano de 2008, mais exatamente no mês de Maio a Autora passou a residir na casa do Requerido até a data de 1 de março de 2010 quando então terminou o relacionamento duradouro e com finalidade de constituir família. Foi justamente neste período que nascera seu filho com o Requerido.

Este relacionamento era público e ambos iram em bares, clubes, e sempre estavam juntos por aquela  cidade. Por várias vezes e na presença de testemunhas o requerido apresentou a Autora com sendo sua esposa.

Neste ínterim de relacionamento o casal adquiriu os seguintes bens:

um apartamento onde atualmente reside o Requerido, no valor de R$ 150.000,00;

um veículo Fiat Pálio ano e modelo 2009, no valor de R$ 30.000,00;

cotas sociais do Clube do Povão no valor de R$ 2.000,00;

Atualmente a Autora reside de favor na casa de um velho amigo que colheu a si e seu filho eis que não tem, a Autora, condições de manter-se e manter seu filho.

A lei de alimentos prevê,e a Constituição Federal estabelece que o pai deve prover o filho com alimentos necessários a manter um padrão de vida tal qual vinham mantendo até a separação do casal.

Quando juntos o filho tinha babá durante o dia, e dirigia-se por pelo menos três vezes por semana no clube onde fora adquirida a cota social acima anunciada.

Assim sendo estabelecido este relacionamento, quer a autora com fincas na lei de regência, especialmente na constituição federal que reconhece a união estável o que se pede:

  1. A dissolução da união estável e a divisão patrimonial de forma igualitária entre as partes;
  2. Seja arbitrado alimentos provisionais em prol do filho do casal eis que atualmente pobres no sentido legal, e posteriormente convertidos em definitivos.
  3. A citação do requerido – por carta – para se defender.
  4. Protesta provar o alegado através de todos os meios de provas cabíveis.
  5. Pede a gratuidade judiciária eis que pobre no sentido legal conforme declaração anexa.

Dá-se a causa o valor de R$ 510,00 para efeitos de alçada.

Nestes termos,

Pede deferimento.

Belo Horizonte, 15 de março de 2010.

Tício Alfredo Bacamarte

OAB/MG 123.456

Rol de testemunhas

Angelina Freitas

Rua 25, nº 36 bairro centro – Pará de Minas

Alfredo Simão

Rua 33 nº 85 bairro das Acácias – Pará de Minas

Eriberto da Silva

Rua 33 nº 91 Bairro das Acácias – Pará de Minas

—***+++ fim da petição ***+++—

Seu cliente é o Requerido que lhe informa:

  1. Está muito adoentado (estado Grave) e internado no Hospital Nossa Senhora da Aparição na cidade de Pará de Minas desde 03/03/2010 até a presente data. Apresenta todos os documentos de internação e declaração de equipe médica como sendo portador de CID – Cadastro Internacional de Doenças nº C-16.
  2. Sua Irmã recebeu em casa, através do correio, a citação no dia 25/03/2010 – ela informou a condição fraternal ao agente do correio que assim anotou no AR.
  3. Verificando o SISCON você nota que o AR (aviso de recebimento) da citação foi juntado no dia 29/03/2010 nos autos.
  4. Que nunca manteve relacionamento afetivo e/ou efetivo com a Autora, sendo que ela, trabalhando como vendedora na cidade de Pará de Minas, ficava na casa do requerido somente 3 ou 4 dias por semana por favores do Requerido. Assim sendo apenas a namorou. Apresenta nome e endereço do patrão da autora na cidade de Pará de Minas que empregou como vendedora e sabe eu ambos eram apenas namorados.
  5. que a testemunha Eriberto é primo irmão da Autora. Pode ser confirmado com a confrontação de certidões do Cartório de Registro de Pessoas naturais da Cidade de Belo horizonte onde eles (autora e seu primo) nasceram.
  6. que o carro foi uma aquisição na base de troca de uma caminhonete que adquirira antes do namoro com a Autora e que vendera a caminhonete por R$ 50.000,00 e o restante do dinheiro completou com suas economias para a compra do apartamento. Apresenta todos os documentos pertinentes.
  7. de fato a cota social foi adquirida durante o namoro com rendimentos exclusivamente do Requerido.
  8. que de fato o filho é seu e o registrara em seu nome.
  9. que vai contribuir para o sustento do filho não se eximindo do mister
  10. que o “tal velho amigo da Autora” na verdade é seu amásio há mais de 6 anos.
  11. a mencionada babá na verdade era a irmã do autor. Indica nome e endereço da mesma.

Documentos apresentados pela autora

Procuração sem vícios

Certidão de nascimento do menor sem vícios

Declaração com firma reconhecida do amigo que anuncia lhe dar abrigo por somente mais três meses

Declaração de pobreza sem vícios

Certidão de registro imobiliário da casa adquirida pelo requerido

Declaração da existência da cota social do dito clube

Cópia do CRLV do veículo

Elabore a defesa COMPLETA do requerido datando-a do último dia do prazo para sua apresentação.

Dica / Desafio de leitura!!!!

Livros que poucos terminaram de ler segundo pesquisa mundialmente efetuada pela Goodreads.

Destes abaixo assinalei os que li NA ÍNTEGRA!

NUNCA abandonei a leitura de uma obra por mais maçante que possa ter-me aparentado.

 

1. Ardil 22, de Joseph Heller

separador8
2. O Senhor dos Anéis (volume único), de J. R. R. Tolkien

Livros como este não leio… Entendo-os como sendo muito comerciais. MAS!!! Serve para que as pessoas possam ter uma iniciativa de leitura. Pena que o público destes filmes estão se embrenhando nas “tecnologias” e se afastando da literatura.

separador8
3. Ulisses, de James Joyce

Deveras complicado! Foi uma das obras mais complexas que li.

separador8
4. Moby Dick, de Herman Melville

Jamais imaginaria que alguém abandonasse uma aventura tão magnífica no meio do caminho! Eu releria esta obra facilmente, se não tivesse uma centena de livros esperando a leitura.

separador8

5. A Bíblia do Rei James

separador8
6. A Revolta de Atlas, de Ayn Rand

separador8
7. Guerra e Paz, de Leon Tolstói

Aluno de direito que  não ler esta obra não merece receber diploma!

separador8

8. Anna Karenina, de Leon Tolstói

Idem supra, para o diploma!

separador8
9. Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez

Não pode faltar na biblioteca! A leitura deve ser efetuada com carinho e compreensão da magnitude do escritor! Obra envolvente e de trama alinhavada sem igual!

separador8
10. O Silmarillion, de J. R. R. Tolkien

separador8
11. Wicked, de Gregory Maguire

separador8
12. Dom Quixote, de Miguel de Cervantes

Não é um texto apenas! São centenas de ocorridos com o Cavaleiro Andante! Nada é monótono quando Sancho entra como o alter-ego de Quixote.

separador8

13. Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski

Aluno de direito não pode receber diploma sem ler. Deveria ser obrigatória a leitura. Uma avaliação somente para esta obra! Penso que deveria ser curricular TODA a obra de Dostoiévski! Pergunto como pode um aluno de direito se dizer formado em Direito Penal, Filosofia do Direito sem ter lido esta obra!

separador8
14. O Morro dos Ventos Uivantes, de Emily Bronte

Outro que não entendo como um cidadão é capaz de abrir mão de terminar a leitura. Tem de ser muito incapacitado mental para não terminar.

separador8

15. Os Miseráveis, de Victor Hugo

Li também “Os trabalhadores do Mar” numa tradução de Machado de Assis!! Passar pelo planeta terra e não ler Victor Hugo é ter roubado oxigênio da humanidade atoa! Penso no que pode ser extraído da obra para fins de sustentar uma ação de “danos morais e materiais”, muito da perspectiva sobre este tema muda ao ler o texto.

separador8
16. Orgulho e Preconceito, de Jane Austen

Complexo? Nem tanto. Mas o leitor deve ter uma carga literária prévia de enfrentar Austen

separador8

17. On The Road, de Jack Kerouac

separador8
18. A Vida de Pi, de Yann Martel

separador8

19. Grandes Esperanças, de Charles Dickens

Tudo de Dickens é maravilhoso. Ler suas obras é como deleitar-se com quadros de Renoir.

separador8
20. Graça Infinita, de David Foster Wallace

separador8
21. O Hobbit, de J. R. R. Tolkien

separador8

22. Drácula, de Bram Stoker

É sempre assim: basta fazer um filme baseado na obra que ninguém anima a literatura. Lastimável!!! Perde-se demais vendo-se os filmes (não que eu recrimine quem os assista – eu assisto todos) MAS NÃO DEIXEM DE LER AS OBRAS BASE DESTAS PELÍCULAS!!!

separador8
23. Um Conto de Duas Cidades, de Charles Dickens

Ele de novo! Mas preferi “Oliver Twist”

separador8

24. O Arco-Íris da Gravidade, de Thomas Pynchon

separador8
25. Jonathan Strange e Mr. Norrell, de Suzanna Clarke

separador8

26. Zen e a Arte da Manutenção de Motocicletas, de Robert M. Pirsig

separador8
27. Lolita, de Vladimir Nabokov

separador8
28. Paraíso Perdido, de John Milton

separador8

29. Ilíada, de Homero

Outro cuja complexidade está na cabeça pouco utilizada dos leitores. Sou severo nas críticas a quem diz que “não entendi nada!!!” sobre o livro. Esta obra era decorada pelos imberbes quando educados nas academias gregas. Informando que “decorado” vem de “de cordis” ou seja, “de coração”.

separador8

30. Os Contos de Cantuária, de Geoffrey Chaucer

separador8
31. Uma Confraria de Tolos, de John Kennedy Toole

separador8
32. A Divina Comédia, de Dante Alighieri

Li duas vezes! como abandonar esta leitura???

separador8

33. A Letra Escarlate, de Nathaniel Hawtorne

separador8
34. Coração das Trevas, de Joseph Conrad

separador8
35. O Amor nos Tempos do Cólera, de Gabriel García Márquez

Numa palavra: Magnífico!

separador8

36. As Vinhas da Ira, de John Steinbeck

separador8
37. Os Versos Satânicos, de Salman Rushdie

Confesso: li de curiosidade. Não gostei. Mas li todo!

separador8

38. O Apanhador no Campo de Centeio, de J.D. Salinger

Lindo lindo lindo.. emocionante!

separador8
39. O Guia do Mochileiro das Galáxias, de Douglas Adams

Outro que inspirou filme. Mas o filme é apenas a primeira parte da obra literária. É capaz que o leitor enlouqueça acaso leia tudo. Obra de muita ficção e filosoficamente instigante.

separador8

40. Uma Breve História do Tempo, de Stephen Hawking

Pronto! um que não li. Nem tenho a obra. “O Universo numa Casca de Noz” foi delicioso e revolucionário na minha vida!

separador8
41. O Mundo de Sofia, de Jostein Gaarder

Outro onde é incompreensível que não se consiga ler todo. Não terminar de ler esta obra é como parar de comer chocolate na metade da barra!

separador8

42. O Senhor das Moscas, de William Golding

Outro que inspirou filme. O filme apenas retratou parte mínima da trama psicológica envolvida. Outro que acaso não lido pode-se negar o diploma a QUALQUER UNIVERSITÁRIO.

separador8
43. Desejo e Reparação, de Ian McEwan

separador8
44. Os Irmãos Karamazov, de Fiódor Dostoiévski

Grande! Intenso! Psicológico! Magnânimo!

separador8

45. Vontade Indômita, de Ayn Rand

separador8
46. 1984, de George Orwell

separador8
47. Duna, de Frank Herbert

separador8

48. O Som e a Fúria, de William Faulkner

separador8

49. Retrato de um Artista Quando Jovem, de James Joyce

Tal qual “Ulisses”!

separador8
50. Almoço Nu, de William S. Burroughs

separador8
51. Finnegans Wake, de James Joyce

separador8
52. Jane Eyre, de Charlotte Brontë

separador8
53. O Nome da Rosa, de Umberto Eco

De Umberto Eco deve-se ler tudo, inclusive seus de pedagogia!

separador8
54. E O Vento Levou, de Margaret Mitchell

Li  com o gosto de quem tem paixão no coração! Mas o filme? Nunca dei conta de ver tamanho asco! Confesso que o livro engoli como quem saboreia um manjar, mas o filme nunca dei conta de terminar: simplesmente cansativo!

separador8
55. Entrevista com o Vampiro, de Anne Rice

separador8
56. O Historiador, de Elizabeth Kostova

separador8
57. Feira das Vaidades, de William Makepeace Thackeray

separador8
58. Frankenstein, de Mary Shelley

O original. O clássico. A fonte!!! E as pessoas acham que sabem do médico e do monstro (Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde de  Robert Louis Stevensonco) com uma visitinha no cinema para ver coisas que nunca foram ditas por Mary Shelley.

separador8
59. Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf

separador8
60. Walden ou A Vida nos Bosques, de Henry David Thoreau

separador8
61. Crepúsculo, de Stephenie Meyer

separador8
62. Odisseia, de Homero

Outro para negar diploma a qualquer universitário. Uma ginástica para o cérebro tal qual “Ilíada”. Não leu? Não passou!

separador8
63. O Caminho de Swann, de Marcel Proust

separador8
64. O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas

Li em duas sentadas! Entre uma e outra fiquei com ansiedade para voltar a leitura! Como me dizem que abandona-se a leitura de uma obra destas! Só pode ser gente que prefere zap zap!

separador8
65. Comer, Rezar, Amar, de Elizabeth Gilbert

separador8
66. A Sociedade do Anel, de J.R.R. Tolkien

separador8
67. O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway

Simplesmente lindo! Lágrimas e mais lágrimas!

separador8
68. A Origem das Espécies, de Charles Darwin

Outro que li pela curiosidade. Mas é fascinantemente interessante pensar o contexto histórico que foi escrito e mais um desafio a igreja católica. Darwin o revolucionário!

separador8
69. O Código Da Vinci, de Dan Brown

Obra comercial. Bom! O “Inferno” é interessante. Li em um dia: Numa Sexta-feira da Paixão! Encapei o livro com papel de pão para ler  na praça e não me excomungarem.

separador8
70. Os Pilares da Terra, de Ken Follett

separador8

71. A Mulher do Viajante do Tempo, de Audrey Niffenegger

separador8
72. Mulherzinhas, de Louisa May Alcott

separador8
73. A Cabana, de William P. Young

separador8
74. Gödel, Escher, Bach: Um Entrelaçamento de Gênios Brilhantes, de Douglas Hofstadter

separador8
75. Razão e Sensibilidade, de Jane Austen

separador8
76. O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald

separador8
77. O Processo, de Franz Kafka

Aluno de direito que não ler: SEM DIPLOMA!!!

separador8
78. A Menina que Roubava Livros, de Markus Zusak

Numa palavra: EMOCIONANTE. Impossível não ler todo.

separador8
79. As Brumas de Avalon, de Marion Zimmer Bradley

Como abandonar a leitura desta obra pelas metades!!! Este livro está na primeira centena que li. Quando ainda jovem! De fato: sou um viciado em leitura!

separador8
80. As Aventuras de Huckeberry Finn, de Mark Twain

Engraçado!!! Muito gostosa a leitura. Quem abandona a obra  não tem senso de humor.

separador8
81. Middlesex, de Jeffrey Eugenides

separador8
82. David Copperfield, de Charles Dickens

separador8
83. Eragon, de Christopher Paolini

separador8
84. O Pêndulo de Foucault, de Umberto Eco

Esta obra é a sagração de Umberto Eco. Melhor que o outro (O Nome da Rosa) que caiu nas graças de Hollywood.

separador8
85. Filhos da Meia-Noite, de Salman Rushdie

separador8
86. Um Olhar do Paraíso, de Alice Sebold

separador8
87. Deuses Americanos, de Neil Gaiman

separador8
88. Amada, de Toni Morrison

separador8
89. A Insustentável Leveza do Ser, de Milan Kundera

Cansei de ver gente falar desta obra (e outras desta lista). Mas quando questionado minimamente sobre algo, desconversa e por fim confessa que leu apenas sinopses do google.

separador8
90. Laranja Mecânica, de Anthony Burgess

Mil vezes melhor que o filme. Aliás qualquer livro é melhor que a obra cinematográfica deles extraída.

separador8
91. Por Quem os Sinos Tocam, de Ernest Hemingway

Comentário idem o 89.

separador8
92. Uma Comovente Obra de Espantoso Talento, de Dave Eggers

separador8
93. O Amante de Lady Chatterley, de D.H. Lawrence

separador8
94. A Revolução dos Bichos, de George Orwell

Aluno de direito leu? Se sim: diplomado. Se não, é adÊvogado!

separador8

95. O Mestre e Margarida, de Mikhail Bulgakov

separador8
96. A Sangue Frio, de Truman Capote

Tenso! De pregar na poltrona e não querer sair mais. Outra obra teste: Não leu é porque não gosta de literatura mesmo!

separador8
97. O Emblema Vermelho da Coragem, de Stephen Crane

separador8
98. O Mundo se Despedaça, de Chinua Achebe

separador8
99. Cryptonomicon, de Neal Stephenson

separador8
100. O Sol Também se Levanta, de Ernest Hemingway

separador8

 

Resumindo:

Ainda não li todos da lista acima. Mas fica meu pasmo pela goodreads ter uma lista com tão importantes obras como as não lidas na íntegra pelas pessoas.

Sinal dos tempos. As pessoas estão abandonando a leitura!