Clique Ciência: como funciona a cola que prega a pele e fecha cortes? – Notícias – Ciência

Muito interessante esta evolução. Renderá bons comentários nas aulas de medicina legal !

Ela é bem simples de ser usada. Basta unir os dois lados da pele que foram separados no corte, passar a cola por cima com uma espécie de pincelzinho que vem acoplado na embalagem e esperar alguns minutos para ela secar completamente.

Fonte: Clique Ciência: como funciona a cola que prega a pele e fecha cortes? – Notícias – Ciência

Atividade sobre Petição inicial

Eis a atividade que proponho para meus alunos:

Maria de Fátima, viúva, com idade de 92 (noventa e dois anos), reside no bairro “X”, da cidade “Z”, com sua filha Clarice, a qual lhe presta toda a assistência material necessária. Maria de Fátima, em virtude da idade avançada, possui diversas limitações mentais, necessitando do auxílio de sua filha para lhe dar banho, alimentá-la e ministrar-lhe os vários remédios que controlam sua depressão, mal de Alzheimer e outras patologias psíquicas, conforme relatórios médicos emitidos por Hospital Público Municipal. Ao ponto de não ter mais condições de exercer pessoalmente os atos da vida civil, a pensão que recebe do INSS é fundamental para cobrir as despesas com medicamentos, ficando as demais despesas suportadas por sua filha Clarice. Recentemente, chegou à sua residência, correspondência do INSS comunicando que Maria de Fátima deveria comparecer ao posto da autarquia mais próximo para recadastramento e retirada de novo cartão de benefício previdenciário, sob pena de ser suspenso o pagamento. Diante disso, Clarice, desejando regularizar a administração dos bens de sua mãe e atender a exigência do INSS, a fim de evitar a supressão da pensão, o procura em seu escritório solicitando providências. Diante dos fatos narrados, elabore a peça processual cabível.

No domingo dia 04/09/2016 às 19h farei aula de correção desta atividade e outras que me forem enviadas AO VIVO através de meu canal no you tube:

 

 https://www.youtube.com/user/Ronaldo79171

Boa sorte a todos! Até domingo!

Abigeato e outras do latim

Penso que agora os fazendeiros poderão gastar seu latim dizendo que estão privilegiados com a criação deste novo tipo penal: o Abigeato, ou seja, o roubo/furto de bovino e equinos. Ab agere, ou seja, verbo que indica o que tem de ser fustigado, tangido para se mover. Abigeatu é a forma substantivada de que significa fustigar, tanger, bater. Mover aqui para o trabalho em favor do homem. Refere-se aos cavalos e bois apenas. Pois o fato de eles caminharem sozinhos para comer e demais atividades os latinos deram o nome de res semovente, ou seja, coisa que anda sozinha, incluindo aí os porcos, ovelhas e outros animais domésticos que no português ficou “semoventes”.

Pois bem, criado o novo tipo penal com a lei 13.330 deste ano o legislador pesou a mão e torna dura em todos os aspectos a recriminação a este crime que no mais das vezes atinge pequenos produtores de gado.

Mas a criação do novo crime não reprime – como bem sabemos – a prática do ato. Os produtores rurais continuarão a ver seu gado ser levado por ladravazes sem que sejam encontrados e sempre ficando no prejuízo.

E por falar em abigeato quero compartilhar com o leitor algumas palavrinhas que o latim nos oferece e, que nem sempre temos a curiosidade de pesquisar suas origens um tanto particulares.

Se quem comete abigeato é o ladrão de gado, quem rouba o erário público é chamado de larápio. Atualmente estamos com um considerável número destes abjetos cidadãos no cenário político nacional e um número sem fim pretende entrar no cenário municipal este ano. Pois bem, larápio é uma palavra que veio para insultar uma família inteira que deu origem a vários políticos conhecidos e de grande exponencial na Roma antiga. Havia naquela época um cidadão de nome Lúcius que era senador no pretório romano. Foi descoberto que ele roubava muito dinheiro dos cofres de César. Então ele foi despojado de todos os seus bens e mandado para as ruas para viver de esmolas. Tal qual aconteceu com Jesus Cristo, penduraram uma placa no seu pescoço e ele não poderia retirá-la. Na placa seu nome deveria ser escrito. Lúcius Antonius Rufos Ápio. Mas como a placa ficaria muito grande, resumiram, deixando apenas o sobrenome da famosa família Ápia para ser denegrida. Assim sendo a placa menor ficou com os as três primeiras letras de cada um de seus prenomes e o nome da família: L A R Ápia. Daí por uso corriqueiro passou-se a “larápio” quando se referiam ao um bandido de cofres públicos com a mente naquele condenado em especial.

Imaginemos que se fosse para escrever todo o texto pretendido na cruz de Jesus Cristo! O símbolo cristão deveria ter dois “braços” um para a crucificação e outro para o letreiro: “Iesus Nazarenus Rex Iudeorum”. Ficou mas cômodo colocar apenas I N R I.

Hora se junta as iniciais, hora se junta as palavras. Em direito existe uma palavrinha que assusta os alunos nas primeiras aulas de processo civil: litisconsórcio. Litisconsórcio prá lá, litisconsórcio, pra cá e apenas descobre-se que litisconsórcio significa a ocasião que há mais de uma pessoa figurando no processo como autores ou mais de uma pessoa figurando como réus num processo. Geralmente não passa disto. É que aqui o “falar rápido” fez a união da expressão litis cum sors, ou seja, aqueles que dividem a sorte da lide (processo). É a mesma coisa para consórcio, onde dividimos a sorte nos sorteios de quem levará o bônus que todos contribuem mensalmente. Repita a expressão em latim bem rápido e veja se não se ouvirá litisconsórcio!

Se nos casos acima, abreviaram ou juntaram palavras, mas noutras vezes omite-se o resto frase. É o caso da expressão conhecida por todos “de cujus”, ou seja, na forma comum de se dizer: o defunto. A expressão somente será correta se dissermos de cujus successione agitur, traduzida: de quem se trata a sucessão / inventário.

Mas também aprontaram com mais uma palavrinha que usamos. Mas agora por asco (nojo) de dizer o que realmente queriam. É que o respeito pelas pessoas mortas não nos deixaria usar a expressão correta. Assim passou-se a utilizar outra mais amena, mais suave. Ninguém em sã consciência vai dizer que “a carne de seu pai (ou ente querido) que será entregue aos vermes está sendo velada! Imaginem o desconforto do fato de uma pessoa chegar a um velório e perguntar ao filho do falecido: “onde está a carne que será entregue aos vermes?”, referindo-se ao defunto. Seria por demais desrespeitoso. Mas acontece que a palavra “cadáver” significa justamente isto “caro data verme” Mas preferiram utilizar somente as primeiras sílabas de cada palavra CA DA VER. Se não elegante, ao menos mais digna de referir-se aos mortos.

Por fim um exemplo de simplificação das coisas. Os latinos criaram o prefixo cum que faz com que tudo que venha à frente dele seja “dividido”. Compadre: cum paters, ou seja, divide a paternidade. O mesmo acontece com cum maters ou seja, divide a maternidade, comadre. Companheiro é de cum panis, ou seja, aquela pessoa tão amiga que divide o pão. Circunferência é uma variante muito elegante: cirCUMferencia, ou seja, “fere” o circulo em um ponto e estende a linha, a distância entre um ponto e outro é a medida daquele círculo.

E assim vão as palavras na nossa riquíssima língua portuguesa!

Espero ter contribuído com o leitor para que, quando falar uma destas palavrinhas saiba exatamente o que está falando, e instigue a curiosidade por tantas outras que usamos no dia-a-dia.

Esta estudante criou uma ‘loja de roupas’ para moradores de rua em seu TCC

Há muito a moda deixou de ser vista como uma superficialidade para ser entendida como uma questão de identidade. As roupas são capazes de expressar humores, sentimentos, perso

Fonte: Esta estudante criou uma ‘loja de roupas’ para moradores de rua em seu TCC

Comentário do professor: por qual motivo todo TCC tem de ser baseado exclusivamente em pesquisa bibliográfica?

Respostas prováveis:

  1. é mais barato comprar que elaborar;
  2. dá menos trabalho
  3. as teclas Ctrl C e Ctrl V são fáceis de serem utilizadas
  4. o professor orientador nem lê os trabalhos de seus orientandos
  5. preguiça mesmo

De minha parte adoraria orientar um TCC mais prático assim!

 

ConJur – Vinicius Ferreira: Negócios processuais reduzirão gastos empresariais

Quais os limites para o negócio processual?

Penso que é possível que dois escritórios de advogacia possam acordar em termos para os processos que dividirem. Assim sendo seriam redigidos termos de regulamentação procedimental que praticamente substituiriam (no que for permitido) o CPC para os escritórios que aderirem àquele texto. Sendo assim tão logo impetrada a ação, e a parte citada solicitar os serviços de um escritório que partilhe da convenção processual do escritório do impetrante da ação já estaria oficializado o negócio processual.

Entendo ser um dos maiores avanços do CPC/2015

Os negócios processuais foram instituídos pelo Novo Código de Processo Civil no artigo 190, e se trata de um instituto que pode ser aplicado de forma a trazer grandes benefícios às empresas, isso porque através deste é possível fazer uma série de previsões contratuais que possam auxiliar o empresariado durante o trâmite de eventual discussão judicial.

viaConJur – Vinicius Ferreira: Negócios processuais reduzirão gastos empresariais.

ConJur – Desaposentação é concedida com base em tutela de evidência

A questão que coloco é: qual a diferença entre tutela de evidência e julgamento antecipado (parcial ou total) do mérito?

A tutela de evidência, instituída pelo novo Código de Processo Civil, foi o instrumento invocado por um advogado para conseguir a desaposentação de um cliente. O mecanismo processual permite ao juiz conceder decisão favorável caso os argumentos da parte possam ser provados por documentos e haja tese firmada em julgamento de súmula vinculante ou recurso repetitivo.

Continue lendo via ConJur – Desaposentação é concedida com base em tutela de evidência.